09/09/2015

Girassóis perdidos.


Com uma faca de cozinha
já presa na manteiga
cortei minha mente
em quatro pedaços.

Sem força
perdi o braço
e um papel amassado
surgiu no meu terraço.
A chuva entrou nas palavras
A tinta preta escorreu no ralo
A tartaruga se escondeu
com medo do raio.

Sem antes de acordar
cavei um buraco
na terra molhada,
e o girassol
que antes vivia
agora caia
no chão
perdendo seu amarelo
cor de sabão.

As nuvens
me olhavam
e provavelmente
julgavam.
Sabiam agora que eu,
era na verdade,
uma assassina
de girassóis perdidos
e desinibidos.

2 comentários:

  1. Sem palavras, apenas! Você tem um talento enorme para criar seus versos. Toda a composição e a combinação entre eles ficou fantástica. Parabéns! Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir