21/10/2015

Cor de tempo.


Poesias pintadas
Palavras desejadas
Você no meio da sala
Os relógios pararam
Eu já estou com 60 anos
Carrego nos braços fracos os filhos abortados
pelo nosso amor inexistente
Dependência de
presença
Quando as vozes se calam na fila do banco
E a música volta a tocar no canto da sala
Eu me esqueço de que por muito tempo
o tempo existiu
e agora choro
tanto
que os ponteiros sentem pena
param de rodar
o mundo para
A barata em cima do gira-gira
As folhas que rodopiam
A bailaria que rodopia
Meu coração rodopiou
Caiu
Morreu
Engasgou-se com o sangue
Cor de gira-gira
Cor de

Tempo

Nenhum comentário:

Postar um comentário